Fibromialogia

Dores generalizadas que dificultam caminhar ou subir escadas, fadiga incapacitante, alterações no intestino e noites mal dormidas são alguns dos sintomas desta doença quase sempre mal diagnosticada. Os tratamentos disponíveis podem reduzir o problema e até mesmo fazê-lo desaparecer, desde que o paciente tenha disciplina e determinação.

Não cabe aqui entrar em detalhes técnicos da doença, mas é importante ressaltar que sua incidência preferencial em mulheres (3% da população feminina, contra 0,5% da masculina) pode estar ligada à diminuição de hormônios na menopausa, período em que a doença é muito mais frequente.

As mulheres chegam ao consultório em desespero: 

ninguém descobre o que elas têm, acham-se velhas e pensam que vão morrer. Além disso, amigos e familiares dizem que estão inventando doenças, e elas passam a se achar loucas ou hipocondríacas… Com a auto-estima em baixa, os sintomas aumentam e tornam o quadro ainda mais grave.

A acupuntura, através do estímulo dos terminais nervosos, determina o aumento da produção de serotonina e endorfina no sistema nervoso central, age como forte analgésico a partir de sua ação no sistema supressor da dor e ainda auxilia no controle emocional através de seus efeitos anti-depressivo e anti-ansiolítico, possibilitando a regularização do sono e a diminuição da fadiga.

Como em quase todas as doenças, é importante que o paciente promova significativas mudanças em suas atitudes. Exigir-se demais, com perfeccionismo e detalhismo no dia-a-dia, só pode atrapalhas a recuperação. Sair do emprego ou reduzir atividades cotidianas é um outro erro frequente.